Use este identificador para citar ou criar um link para este item: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/1314
Título: Ainda somos tão jovens: um estudo em Psicologia histórico-cultural sobre consciência e ato infracional na adolescência
Autores: Minin, Junior Cesar
Souza, Ana Maria de Lima
Palavras-chave: Adolescência
Consciência
Ato infracional
Psicologia histórico-cultural
Data de publicação: 2014
Citação: MININ, Junior Cesar. Ainda somos tão jovens: um estudo em Psicologia histórico-cultural sobre consciência e ato infracional na adolescência. 2014. 201 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Fundação Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, 2014.
Resumo: Esta dissertação apresenta nossa pesquisa que investigou os elementos causais e dinâmicos relacionados à conduta infracional, destacando-a como um processo socialmente produzido no tempo histórico em que vivemos e que influencia a formação da consciência dos jovens. Três adolescentes, dois do sexo masculino e um do feminino, foram entrevistados tomando como referência a História Oral desenvolvida no Centro de Hermenêutica do Presente na Universidade Federal de Rondônia, que emprega o conceito de Cápsula Narrativa. A análise foi inspirada no materialismo histórico-dialético e nos pressupostos teórico-metodológicos da Psicologia Histórico-Cultural a partir dos estudos de Vigotski e Leontiev, com ênfase na formação da consciência, nas funções psicológicas superiores e no desenvolvimento do psiquismo na adolescência. Os seguintes resultados foram obtidos: no geral, há uma visão pouco crítica dos adolescentes entrevistados sobre a realidade social; justificam a conduta infracional (roubo e violência) como uma resposta natural ao contexto imediato; demonstram medo da conduta infracional na medida em que ela acarreta prejuízos a si mesmos e à família, não levando em conta a subjetividade das vítimas; percebem as condições de vida como um entrave no processo de escolha, bem como para a superação da conduta infracional e para a vivência de uma adolescência mais prazerosa; o processo de escolha é vivido solitariamente, e/ou com a mediação dos adultos e dos amigos adolescentes; a escola praticamente não compareceu nas narrativas. Concluindo, entendemos que as características da pós-modernidade, no contexto do capitalismo, contribuíram para a internalização de elementos alienantes na consciência, tornando difícil, para os adolescentes, a percepção de que podem ser sujeitos ativos da própria história pessoal e social. E que a formação da consciência não se reduz a uma simples questão de escolha individual, como se a conduta infracional fosse um dilema provocado somente pelo adolescente ou por sua família. Também destacamos que é preciso relativizar essas conclusões, pois os adolescentes demonstram preocupação com a família, interesse pelo trabalho e pela mediação dos adultos.
Descrição: Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação: Mestrado Acadêmico em Psicologia - MAPSI, da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) como requisito final para a obtenção do título de Mestre em Psicologia. Orientadora: Profa. Dra. Ana Maria de Lima Souza.
URI: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/1314
Aparece nas coleções:MAPSI/PVH - Mestrado em Psicologia (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Junior C. Minin_Ainda somos tão jovens.pdf1,55 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.