Use este identificador para citar ou criar um link para este item: http://hdl.handle.net/123456789/1818
Título: Efeito da L-Aminoácido Oxidase isolada do veneno da serpente Calloselasma rhodostoma na função de neutrófilos humanos
Autores: Pontes, Adriana Silva
Zuliani, Juliana Pavan
Palavras-chave: LAAO
Inflamação
Neutrófilos
Quimiotaxia
Fagocitose
Espécies reativas de oxigênio
NETs
Data de publicação: 2016
Citação: PONTES, Adriana Silva. Efeito da L-Aminoácido Oxidase isolada do veneno da serpente Calloselasma rhodostoma na função de neutrófilos humanos. 2016. 80 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós - Graduação Doutorado em Biologia Experimental. Universidade Federal de Rondônia - UNIR, Porto Velho, 2016.
Resumo: O veneno de serpentes consiste em uma mistura complexa de proteínas, peptídeos, lipídios, polissacarídeos e substâncias químicas inorgânicas. Polipeptídeos e proteínas estão presentes em maiores proporções, chegando a 90-95% do seu peso seco. Dentre os constituintes proteicos do venenos temos as metaloproteases, fosfodilesterases, hialuronidase, fosfolipases A2 (PLA2) e L-aminoácido oxidase (LAAO). A LAAO é uma enzima que se encontra amplamente distribuída em várias espécies de seres vivos. Além de peçonhas de serpentes, a enzima foi identificada em insetos, fungos e em plantas. Esta proteína desperta um grande interesse na área científica por apresentar efeitos de oxidação sobre diversos patógenos, como fungos e vírus e, sobre várias linhagens celulares. Parte desses efeitos é creditado ao peróxido de hidrogênio, gerado na reação oxidativa dessa enzima. Estudos anteriores realizados por Pontes et al. (2014) demonstraram a capacidade da LAAO, isolada do veneno da serpente Calloselasma rhodostoma, em ativar neutrófilos humanos isolados. Vale ressaltar que esta foi à primeira descrição desse efeito. No presente estudo, a LAAO não apresentou toxicidade sobre os neutrófilos. Nas concentrações de 50 e 100 μg/ mL, a toxina estimulou a migração dos neutrófilos, inibida pelo tratamento com Wortimanina (inibidor da PI3K) e SB 202190 (inibidor da p38 MAPK). Também, foi capaz de estimular a produção de espécies reativas do oxigênio seguido de degranulação, fagocitose de partículas de zimosan e liberação de mieloperoxidase pelos neutrófilos. Além disso, a LAAO estimulou estas células a liberar citocinas proinflamatórias como a IL-8, após 3 horas e, a IL-6, após 1 hora de incubação. Os mediadores lipídicos, prostaglandina E2 e o leucotrieno B4 foram detectados após 1 e 2 horas de incubação com a LAAO, respectivamente. A LAAO também foi capaz de estimular a formação e liberação de NETs, durante a 1ª hora de incubação. Este estudo permitiu uma melhor compreensão do mecanismo de ação da LAAO sobre neutrófilos, possibilitando novas perspectivas para sua utilização como modelo molecular no estudo de processos fisiopatológicos e para o desenvolvimento de novos fármacos.
Descrição: Tese apresentada à Fundação Universidade Federal de Rondônia, como requisito para obtenção do título de Doutor em Biologia Experimental no Programa de Pós-Graduação em Biologia Experimental. Orientado: Adriana Silva Pontes Orientador: Prof.ª Dr.ª Juliana Pavan Zuliani
URI: http://hdl.handle.net/123456789/1818
Aparece nas coleções:Doutorado em Biologia Experimental / PVH -Teses

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Tese Adriana Pontes.pdfTese Adriana Pontes3,39 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.