Use este identificador para citar ou criar um link para este item: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2062
Título: Organogênese e regeneração de plantas a partir de folhas de Piper tuberculatum.
Autores: Magalhães, Glaura Mugrabe de oliveira
Santos, Maurício Reginaldo Alves dos
Palavras-chave: Calogênese
Brotações,
Piperaceae
Data de publicação: 2016
Citação: MAGALHÃES, Glaura Mugrabe de Oliveira.Organogênese e regeneração de plantas a partir de folhas de Piper tuberculatum. Dissertação ( Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (PGDRA) Universidade Federal de Rondônia-UNIR. 55 f. Porto Velho. 20016
Resumo: Dentre as espécies de Piperaceae se destaca Piper tuberculatum, planta nativa da Amazônia, utilizada na medicina popular devido às suas atividades sedativas, analgésicas, antiofídicas e digestivas. As plantas são ricas em metabólitos secundários bioativos, incluindo alcalóides, amidas, flavonóides e terpenos, possuindo assim importância econômica e medicinal. Tendo em vista a crescente demanda por produtos naturais bioativos, um método que permita a produção de mudas de Piper tuberculatum em um período de tempo reduzido e livre de doenças se torna promissor. Neste contexto a micropropagação surge como uma alternativa viável para a regeneração de plantas que apresentam dificuldades de reprodução natural ou quando os métodos convencionais de propagação vegetativa não se tornam viáveis. O objetivo dessa pesquisa foi estabelecer um sistema para regeneração in vitro de plantas de P. tuberculatum. Foram utilizadas folhas de plantas in vitro, as quais foram inoculadas em meio Murashige & Skoog suplementado com diferentes concentrações de 2,4-D (0,0; 1,0; 2,0; 3,0; 4,0 mg L-1), BAP (0,0; 1,0; 2,0; 3,0; 4,0; 10,0; 10,2 mg L-1) , ANA (0,0; 5,0 mg L-1). Foram avaliadas as variáveis de média de indução de calos (IC), a média da área do explante coberto por células de calos (AECC) e o número de brotações por explante. Foi observada indução de calos entre 75 e 100% nos tratamentos com combinações de 2,0 mg L-1 de BAP com 2,0 mg L-1 de 2,4-D; 3,0 mg L-1 de BAP com 4,0 mg L-1 de 2,4-D e 10,2 mg L-1 de BAP com 5,0 mg L-1 de ANA. Em relação à área do explante coberta por células de calo, os tratamentos mais representativos foram 3,0 mg L-1 de BAP com 4,0 mg L-1 de 2,4-D; 2,0 mg L-1 de BAP com 4,0 mg L-1 de 2,4-D e 10,0 mg L-1 de BAP com 5,0 mg L-1 de 2,4-D. Os maiores números de brotações por explante foram observados com 4,0 mg L-1 de BAP com 1,0 mg L-1 de 2,4-D e 4,0 mg L-1 de BAP com 2,0 mg L-1 de 2,4-D. Para a regeneração de plantas de P. tuberculatum a partir de explantes foliares, recomenda-se o uso de 4,0 mg L-1 de BAP com 1,0 mg L-1 de 2,4-D. Todas as plantas foram aclimatizadas com sucesso.
Descrição: Qualificação de Mestrado apresentada como requisito do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, Área de Concentração em Ambiente, Saúde e Sustentabilidade.Orientador: Dr. Maurício Reginaldo Alves dos Santos
URI: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2062
Aparece nas coleções:PGDRA/PVH - Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao Glaura Mugrabe.pdf1,13 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.