Use este identificador para citar ou criar um link para este item: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2066
Título: Cultivo in vitro de sementes imaturas de Bertholletia excelsa H.B.K.
Autores: Carvalho, Sandra Mirlêny da Silva
Santos, Maurício Reginaldo Alves dos
Palavras-chave: Indução de calos
Reguladores de crescimento
Desinfestação
Floresta Amazônica
Data de publicação: 2012
Citação: CARVALHO, Sandra Mirlêny da Silva. Cultivo in vitro de sementes imaturas de Bertholletia excelsa H.B.K. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós- Graduação- Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (PGDRA) Universidade Federal de Rondônia (UNIR) 53 f. Porto Velho, 2012.
Resumo: Bertholletia excelsa H.B.K., conhecida como castanheira-do-brasil, é uma espécie arbórea pertencente à família Lecythidaceae. É uma espécie endêmica da Floresta Amazônica e consta na lista oficial do IBAMA de espécies ameaçadas da flora amazônica considerada como vulnerável. As sementes da castanheira levam de 60 a 275 dias para germinar naturalmente e a produção inicia-se entre 5 e 12 anos. Técnicas de cultura de tecidos vegetais são ferramentas promissoras para programas de melhoramento dessa cultura, principalmente por permitir a clonagem de plantas selecionadas. Objetivou-se com esse trabalho determinar protocolos eficientes para desinfestação e indução de calos em explantes de sementes imaturas de B. excelsa. Foram realizados dois experimentos, desinfestação e indução de calogênese. Para a desinfestação foram utilizados explantes provenientes de castanheiras cultivadas, os quais passaram por testes de imersão em hipoclorito de sódio a 2,5%, hipoclorito de cálcio a 5% e de cefotaxima a 50 mg.L-1 , todos por 15 e 30 minutos, em combinação fatorial. Após este procedimento, foi retirado o tegumento das sementes e estas foram inoculadas em meio MS (Murashige & Skoog) com metade da concentração dos nutrientes. Após sete dias, foi avaliada a contaminação. Para indução de calogênese, fragmentos de sementes imaturas foram cultivados em meio WPM (Wood Plant Medium) acrescido de 2,4-D (0, 1, 2, 4 e 8 mg.L-1) e TDZ (0, 1,6 e 3,2 mg.L-1) em combinação fatorial. Após 21 dias, foi avaliada a indução de calos. Os cultivos foram mantidos no escuro, em sala de crescimento, a 24±2ºC. Nas condições em que foi realizado este trabalho, a menor contaminação (5%) foi obtida com imersão em hipoclorito de cálcio 5% por 30 minutos. A condição que resulta em maior porcentagem de calogênese foi encontrada na combinação de 2 mg.L-1 de 2,4-D com 3,2 mg.L-1 de TDZ. Estudos posteriores serão realizados visando à regeneração de plantas a partir dos calos obtidos.
Descrição: Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, Área de Concentração em Ambiente, Saúde e Sustentabilidade, para obtenção do Título de Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente.Orientador: Prof. Dr. Maurício Reginaldo Alves dos Santos
URI: http://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2066
Aparece nas coleções:PGDRA/PVH - Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DissertSandraM.pdf872,5 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.