Use este identificador para citar ou criar um link para este item: http://hdl.handle.net/123456789/2072
Título: O que aconteceu aos Kaxarari: um estudo etnográfico de (In) sustentabilidade ambiental
Autores: Gomes, Ivonete Batista Santa Rosa
Ott, Ari Miguel Teixeira
Palavras-chave: etnia Kaxarari
Rondônia
sustentabilidade
Etnografia.
Data de publicação: 2009
Citação: GOMES, Ivonete Batista Santa Rosa. O que aconteceu aos Kaxarari: Um estudo etnográfico de (In) Sustentabilidade ambiental. Dissertação (Mestrado ) Programa de Pós- Graduação- Mestrado em Desenvolvimento regional e meio ambiente (PGDRA) da Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR) 79f. Porto Velho, 2009.
Resumo: A etnia Kaxarari marca a sua história do contato interétinco com segmentos das frentes extrativistas da seringa e do caucho em três períodos distintos: o tempo das correrias o tempo do cativeiro e o tempo dos direitos. A Terra indígena Kaxarari está localizada nas proximidades dos distritos de Califórnia e Extrema nas divisas de Rondônia, Acre e Amazonas este povo pertencente à família lingüística Pano, tem sua organização dividida em clãs de acordo com cada família e/ou povo. Habitam atualmente em cinco aldeias: Marmelinho, Paxiúba, Pedreira, Barrinha e Central, reunidas em um território de aproximadamente 145.000 hectares e uma população estimada em 317 indivíduos. Este estudo avaliou a relação da comunidade com o seu meio e o processo de utilização dos recursos naturais das comunidades da reserva indígena Kaxarari (RO). A partir dos contatos iniciais deste povo, sob a perspectiva etnográfica, procurando evidenciar as múltiplas resistências diante dos impactos decorrentes do contato com a sociedade nacional e as formas e meios como eles vêm construindo seus processos de (in)sustentabilidade. Para a realização do estudo foi utilizado o método etnográfico. O contato inicial com caucheiros peruanos e seringalistas brasileiros revelou-se extremamente desastroso para os Kaxarari. A conseqüência mais grave foi, sem duvida, a depopulação deste povo, que de dois mil habitantes, em 1910, ficaram reduzidos hoje em dia a menos de 400 indivíduos. Entretanto, mesmo tendo seus valores modificados no contato com o não índio, ainda constituem um exemplo de resistência, pois apesar da violência mantém uma língua, o território e a capacidade de reconstruírem seus valores e a luta pela existência.
Descrição: Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (PGDRA) da Universidade Federal de Rondônia, dentro da linha de pesquisa Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável para obtenção do Titulo de Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente. Orientador Prof. Dr. Ari Miguel Teixeira Ott
URI: http://hdl.handle.net/123456789/2072
Aparece nas coleções:PGDRA/PVH - Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (Dissertações)

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
ivonete_tcc.pdf6,82 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.